17/09/07

Classe Midia

Meu amigo N.Ribeiro cunhou este termo ,Classe Midia:

Essa palhaçada de prever um golpe articulado pela "classe midia" não é que a conhecida metodologia de desinformação , usada pela intelectualidade esquerdista. Golpe mesmo é o que esta acontecendo no Estado Brasileiro, e este golpe vem de dentro . Exemplo : as condições do julgamento do presidente do senado brasileiro ." Num julgamento que se pode rotular de clandestino , malocados como bandidos numa cafua em que a atmosfera mais se assimilava a uma reunião de Cosa Nostra com direito a porrada na entrada , os senadores , escondidos do povo que desrespeitam , envergonham , enganam furtam e atraiçoam, decidiram votar contra as convicções de praticamente toda a nação." (J.Ubaldo Ribeiro).
Depois vem Marilena Chaui e adverte para um golpe arquitetado pela Midia , que ao seus olhos, era a única que queria a condenação de Renan .

De O.de Carvalho:
Esquerdista, quando quer caluniar , não precisa inventar crimes: atribui-lhe um dos seus, e pronto. Resolve dois problemas de uma vez: queima a reputação do infeliz e ainda esconde as suas próprias culpas sob as cinzas do cadáver. Isso é assim desde os tempos de Lênin. O método é simples, prático, brutal e descarado. Tão descarado que a platéia, recusando-se instintivamente a acreditar que alguém seja mau o bastante para usá-lo, cai no engodo de novo e de novo e de novo.O exemplo mais espetacular, em escala nacional, foi o hiperbolismo retórico dos Dirceus e Mercadantes, na CPI de 1993, transformando os Anões do Orçamento em gigantes do crime e acusando-os de montar “um Estado dentro do Estado”, coisa que ia muito além das possibilidades e até da imaginação daquelas diminutas criaturas, tudo para camuflar a montagem de um genuíno “Estado acima do Estado”, obra-prima de maquiavelismo, que o próprio PT já ia construindo com a ajuda das mais ricas e temíveis organizações criminais do continente, e cuja potência continua e continuará produzindo efeitos devastadores.

De R.Azevedo :
Marilena Chaui, a mãe da teoria do golpe da mídia ,concedeu uma entrevista à revista argentina Debate. Pela primeira vez, esta especialista na fusão do pensamento de Spinoza com a capacidade operativa de Delúbio Soares, reconheceu que pode, sim, ter havido algo parecido com mensalão, mas voltou a insistir que a “mídia” (a não-petista, é claro) manipulou o caso para provocar o impeachment de Lula. E refletiu: “Nenhum governante governa sem fazer alianças e negociações com outros partidos. Essa negociação tende à corrupção. Essa compra e venda ocorreu sistematicamente nos governos José Sarney, Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, sem que os meios se manifestassem sobre o assunto".
Viram só?
Premissa maior: nenhum governante governa sem fazer alianças e negociações;
Premissa menor: alianças e negociações tendem à corrupção;
Conclusão inescapável: é impossível governar sem ser corrupto.

Nunca ninguém tinha tido a coragem de dizer isso antes com tanta e tão escancarada clareza. Os petistas já estão dando um passo a mais na sua célere evolução para a delinqüência pura e simples, que vai perdendo até mesmo aquela fantasia socialista. Antes, o PT era o partido dos “donos da ética” . No Programa do Jô, Tarso Genro disse que essa pregação era um erro. Depois, o PT avançou para outra posição: “Roubo, mas todo mundo rouba, embora a gente não ache isso correto”. Agora, atinge o estado da arte: “Roubo, todo mundo rouba, e é assim mesmo que se faz. Ou não se governa”

Silvio D'Amico