08/07/07

Desobediência Civil

Desobediência Civil

Pego emprestado um texto de Henry Thoreau para explicar o meu desejo por uma abdicação do voto nas ultimas eleições.
Onde o governo é ruim e a oposição a ele não passa de um reflexo do mesmo , sou conivente se voto.

"Toda a votação é um tipo de jogo, tal como damas ou gamão, com uma leve coloração moral, onde se brinca com o certo e o errado sobre questões morais; e é claro que há apostas neste jogo. O caráter dos eleitores não entra nas avaliações. Proclamo o meu voto - talvez - de acordo com meu critério moral; mas não tenho um interesse vital de que o certo saia vitorioso. Estou disposto a deixar essa decisão para a maioria. O compromisso de votar, desta forma, nunca vai mais longe do que as conveniências. Nem mesmo o ato de votar pelo que é certo implica fazer algo pelo que é certo. É apenas uma forma de expressar publicamente o meu anêmico desejo de que o certo venha a prevalecer. Um homem sábio não deixará o que é certo nas mãos incertas do acaso e nem esperará que a sua vitória se dê através da força da maioria. Há escassa virtude nas ações de massa dos homens. "

A representação política atual brasileira , é de dar nojo . Me recuso a compactuar com ela. Mesmo sendo obrigado por
lei , não vou alimentar o injusto exercício do cinismo de nosso governo. No voto , o indivíduo é agente no sistema.

"Se a injustiça é parte do inevitável atrito no funcionamento da máquina governamental, que seja assim: talvez ela acabe suavizando-se com o desgaste - certamente a máquina ficará desajustada. Se a injustiça for uma peça dotada de uma mola exclusiva - ou roldana, ou corda, ou manivela -, aí então talvez seja válido julgar se o remédio não será pior do que o mal; mas se ela for de tal natureza que exija que você seja o agente de uma injustiça para outros, digo, então, que se transgrida a lei. Faça da sua vida um contra-atrito que pare a máquina. O que preciso fazer é cuidar para que de modo algum eu participe das misérias que condeno"

A Desobediência Civil serviu como uma tática principal aos movimentos nacionalistas em antigas colonias da África e Ásia, antes de adquirirem a liberdade. O mais notável, Gandhi, usou a desobediência civil como uma ferramenta anti colonialista. Martin Luther King, líder do movimento dos direitos civis dos Estados Unidos nos anos da década de 1960, também adotou as técnicas da desobediência civil e ativistas anti-guerra, tanto durante quanto depois da Guerra do Vietnã, também agiram igualmente.

Eu considero nosso Estado uma organização criminosa perante a própria constituição , ligada a interesses criminosos .
Me assusta a falta de oposição as comprovadas falcatruas e ao desprezo pela cidadania . Parece que o constrangimento de se criticar este sistema vai alem da tendência esquerdista imposta pelas nossas universidades . É a burrice e a covardia , a real origem deste constrangimento . Este governo esta implicado em muitos crimes . Ja teria caído se fosse visto como um governo
que deve servir ao povo que o elegeu . Por exemplo , porque deveria eu aceitar o `caixa dois` para campanha de políticos quando sou obrigado a prestar conta de meu ganho financeiro em respeito ao bem comum dos brasileiros .

Quando ouço os defensores da situação atual , como artistas e formadores de opinião , percebo o quanto gratuito são seus pensamentos.
"O idiota presunçoso, isto é, o tipo mais representativo de qualquer profissão hoje em dia, incluindo as letras, o ensino e o jornalismo, forma opinião de maneira imediata e espontânea, com base numa quantidade ínfima ou nula de conhecimentos, e se apega a seu julgamento com a tenacidade de quem defende um tesouro maior que a vida. A rigor, não tem propriamente opiniões. Tem apenas impressões difusas que não podendo, é claro, encontrar expressão adequada, se acomodam mecanicamente a qualquer fórmula de sentido análogo, colhida do ambiente, e então lhe parecem opiniões pessoais, como se a conquista de uma autêntica opinião pessoal prescindisse de esforço.
(Olavo de Carvalho Diário do Comércio, 24 de outubro de 2005)

Vamos ser realistas , nos não temos liderança política idônea capaz .
"Ainda não surgiu um homem dotado de gênio para legislar no nosso país. Homens assim são raros na história mundial. Oradores, políticos e homens eloqüentes existem aos milhares; mas ainda estamos por ouvir a voz do orador capaz de solucionar as complexas questões do dia-a-dia. Amamos a eloqüência pelos seus méritos próprios, e não pela sua capacidade de pronunciar uma verdade qualquer, nem pela possibilidade de inspirar algum heroísmo. Os nossos legisla­dores ainda não aprenderam a distinguir o valor relativo do livre-comércio frente à liberdade, à união e à retidão. Eles não têm gênio ou talento nem para as questões relativamente simplórias dos impostos, das finanças, do comércio e da indústria, da agricultura.Talvez não tenha o direito de afirmar isto, mas o Novo Testamento foi escrito há dois mil anos; no entanto onde encontrar o legislador suficientemente sábio e prático para se aproveitar de tudo o que esse texto ensina sobre a ciência da legislação?

Minha abstenção ao voto é desobediência civil .
Silvio D'Amico